quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Crise estilo-jornalística

É difícil encontrar as palavras quando você está se lixando, visto que ninguém ouve mesmo elas não têm pretensão alguma de serem encontradas. Há quanto tempo não escrevo? Não, não falo do blog. Falo de sentar a bunda na cadeira me dedicar a um texto sem ter obrigação de escrevê-lo. Escrever sem estar preocupada com a porcaria da nota da facul nada. Escrever por escrever, como eu sempre fazia. 

Quando foi que me perdi?

Parece-me que os textos estão engessados. Os meus "escritos", antes verdes, não amadureceram. Pularam essa fase. Não digo que estão podres porque sempre tem um espertinho que conclui sozinho. Ponho toda a culpa no "estilo". Não toda. Mentira. Ponho sim.

Use verbos de ação. 
Respeite o limite de caracteres.
Descarte os pronomes. 
Não seja besta de se meter com adjetivos.
Seja claro. Objetivo. Neutro. 
Não repita palavras.
Diga a que veio.

Eu vim para escrever um texto. Quero encontrar eu ia usar a palavra "achar", mas não é o ideal, já que "encontrar" fica mais bonito o sabor das palavras brincadas, soltas, bobas. Quero ó eu repetindo palavras aí, gente! colocar a emoção, o gosto, o tempero e a poesia em meus textos. Aqui, pode. E quando eu souber separar o estilo pré-determinado e a ousadia das palavras poderei dizer que aprendi a escrever.

Até lá, a gente vai tentando a gente vai tentando. É isso.